ES: Pastor morto facadas e pedreiro assume crime

ES: Pastor morto facadas e pedreiro assume crime

O pastor de uma igreja evangélica foi morto a facadas dentro do apartamento onde morava, na Praia da Costa, Vila Velha, nesta segunda-feira (7). Segundo informações da polícia, um ajudante de pedreiro procurou a delegacia para informar que tinha matado Ericsson Roza Soares, de 36 anos.

ES: Pastor morto facadas e pedreiro assume crime

ES: Pastor morto facadas e pedreiro assume crime

Ericsson era pastor da Primeira Igreja Quadrangular de Vitória, que fica no bairro Ilha de Santa Maria.

Em depoimento informal, o suspeito disse que mantinha uma relação homoafetiva com o pastor e que moravam juntos há uma semana. Ainda segundo o pedreiro, ele decidiu acabar com a relação devido à atividade de Ericsson como pastor.

Segundo o agressor, a vítima não teria aceitado o fim do relacionamento e uma discussão foi iniciada. Durante a briga, o ajudante de pedreiro acabou matando o pastor.

O assassino confesso foi encaminhado à Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa, onde presta depoimento formal ao delegado.
A versão do criminoso, no entanto, foi totalmente desmentida pela namorada do pastor, Carolina Burzlaff.

“Essa história que ele está contando é ridícula. Não existe a menor possibilidade. Ele estava drogado, cometeu o crime drogado e está inventando isso não sei por quê”, disse a namorada do pastor.

Investigadores da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa estiveram no apartamento, localizado no nono andar do prédio, e encontraram o corpo do pastor na suíte da unidade. O instrumento utilizado no crime foi uma faca de cozinha, deixada pelo assassino em cima da mesa. A polícia acredita que houve luta corporal, já que a casa estava revirada com objetos quebrados.

Dependente químico

Quem encontrou o corpo do pastor foi um sobrinho dele, de 22 anos, que morava no mesmo apartamento, segundo a namorada de Ericsson.

A namorada afirmou ainda que o ajudante de pedreiro era amigo da família há cinco anos e que era dependente químico. O pastor, segundo ela, ajudava o pedreiro pagando o aluguel dele e o tratamento para que se livrasse das drogas.

“O pedreiro tinha problemas com drogas, sempre entre idas e vindas e internações. Ontem fomos todos juntos a uma igreja com ele. Foi a última vez que vi o assassino”, contou a mulher.

A namorada usou o Facebook do pastor para divulgar uma nota oficial sobre a morte dele.

Fiéis

Na tarde desta segunda, fiéis da Primeira Igreja Quadrangular de Vitória foram até o prédio onde ele morava para aguardar a liberação do corpo, que aconteceu por volta das 16h.

O pintor Lourival Pacheco, que frequenta a igreja há 13 anos, disse que o pastor ajudava a pessoa que o matou e que o religioso não tinha inimizades. “Era tudo para nós. Nosso pastor, nosso amigo, nosso querido”, falou Lourival.